sobre  ABE

Etnopsiquiatria ou psiquiatria cultural não se trata de mais uma especialidade, mas sim um ramo de estudo que chama a atenção para aspectos mais amplos que envolvem o ser humano e a necessidade de abordagens, tanto terapêuticas como preventivas, coerentes com esta dimensão. A Etnopsiquiatria reconhece os recursos disponíveis em cada cultura como um complemento oportuno ao tratamento, extraindo da família ou comunidade os valores sócio-culturais. Os mesmos valores que utilizados numa terapia dinâmica e com participação coletiva, podem ser uma proposta oportuna e eficiente de terapia para a nossa sociedade. Baseado no modelo das sociedades tradicionais, a reunião circular é, sobretudo, um ambiente de troca, compartilhamento e exercício de solidariedade. Diversos métodos terapêuticos foram desenvolvidos nos últimos anos com uma visão mais ampla do indivíduo como Roger Bastide (ao lado) preconizava na década 60. Psicoterapias que consideram o contexto onde o indivíduo esta inserido; que valorizam vivências como estratégia para mudar a postura; que pregam mudanças de paradigmas adotadas amplamente pela sociedade estão encontrando seu espaço. Considerado o mentor da Etnopsiquiatria Georges Devereux ¨estudou o fenômeno de normalidade e anormalidade em diversos contextos culturais, mas foi graças ao trabalho de Henri Collomb (entre africanos) no Senegal, continente africano, que podemos lhe conceder o título de pai da Etnopsiquiatria Clínica.  

Durante o Simpósio Internacional de Psiquiatria Cultural realizado em 1998 em Florianópolis, oficialmente foi fundada a ABE.Na foto, Marcos de Noronha, o primeiro presidente, pousa com Wolfgang Jilek para a reportagem do Diário Catarinense com o então Chairman da Transcultural Section da Associação Mundial de Psiquiatria. Abaixo o sociólogo Roger Bastide e, entre os africanos, o médico Henri Collomb, ambos franceses.

  • Facebook Clean
  • Twitter Clean

Av. Othon Gama d'Eça, 900 - sala 903. Florianópolis SC CEP 88015-240

 Fone: 55 48 33241212